O comando DIFF, resumidamente, é uma ferramenta usada para comparar dois arquivos em formato texto e mostrar as diferenças entre eles linha a linha. A utilidade do comando é indiscutível e o mesmo raciocínio pode ser aplicado a diretórios. No caso de diretórios é importante usar a opção -r para assegurar a comparação de todos os subdiretórios.

Vejamos um exemplo comparando o arquivo texto.txt com texto1.txt e exibindo suas diferenças na tela:

$ diff texto.txt texto1.txt
1c1
< Ubuntu

> Ubuntu Lucid

Note que o comando foi executado via linha de comando e a saída não é “nada” intuitiva, o que desagrada alguns usuários, especialmente os iniciantes.

Alternativamente, você pode utilizar o MELD que é uma ferramenta gráfica para se trabalhar com o diff. Nela você pode comparar dois ou três arquivos e editá-los local ou dinamicamente. Você pode comparar duas ou três pastas e salvar as comparações em arquivo. Você pode navegar e ver uma cópia de trabalho a partir de sistemas de controle de versão, tais como CVS, Subversion, Bazaar e etc.

Vejamos como utilizá-la:

1. Abra o terminal selecionando: Menu Aplicativos → Acessórios → Terminal

2. Como o Meld está disponível no repositório Universe, para instalá-lo apenas execute o comando:

$ sudo aptitude install meld

3. Para iniciar o Meld, selecione: Menu Aplicativos → Programação → Meld – Visualizador de Diff

meld

Exemplo de comparação entre o arquivo texto.txt com texto1.txt

O resultado é mostrado na tela de forma gráfica, ou seja, o usuário não terá contato com o terminal e nem precisará conhecer todas as opções do comando, pois os recursos estarão acessíveis a um clique do mouse.

Referências:

http://meld.sourceforge.net

LifeChat LX-3000 Microsoft

Microsoft LifeChat LX-3000

O LifeChat LX-3000 é um headset confortável que possui uma instalação simples via porta USB e alta qualidade de som digital. Apesar de ser otimizado para MS Windows, principalmente Live Messenger, funciona perfeitamente no Ubuntu 8.04.

Vejamos como habilitar o headset no Ubuntu:

  • Como o Ubuntu detecta automaticamente o headset, você apenas precisará alterar o dispositivo de som padrão do sistema. Use o comando abaixo que lhe informará o índice e o nome de cada dispositivo de som que você possui atualmente. Tome nota dos nomes.

$ cat /proc/asound/modules

0 snd_hda_intel
1 snd_usb_audio

  • Agora digite:

$ sudo gedit /etc/modprobe.d/alsa-base

  • No final do arquivo, adicione as linhas abaixo para tornar o headset dispositivo padrão. (snd_hda_intel = placa de som onboard e snd_usb_audio = headset)

options snd_usb_audio index=0
options snd_hda_intel index=1

Alternativamente, se você estiver usando uma placa de som onboard, basta desabilitá-la na BIOS. Para isso, Você terá que reiniciar o computador e apertar uma tecla que lhe permitirá entrar na BIOS (geralmente Delete ou F2).

Referência: Ubuntu Forums

Boa sorte!

O SSH (Secure Shell) em poucas palavras, é um programa que permite criar uma conexão segura com um servidor remoto viabilizando dessa forma o acesso ao console do servidor como se estivesse localmente nele. Administradores de rede/sistemas utilizam bastante esse programa e muitos deles usam a autenticação com chaves no seu dia-a-dia para acessá-los. Vejamos como fazer isso em seu Ubuntu:

O primeiro passo é criar um par de chaves RSA (uma chave privada e uma chave pública) para autenticação. Para isso use o comando:

$ ssh-keygen -t rsa

Após executar o comando acima, você será questionado para informar onde a chave privada será salva (neste ponto tecle <Enter>).

Generating public/private rsa key pair.
Enter file in which to save the key (/home/usuario/.ssh/id_rsa): <Enter>

Em seguida, será solicitado que informe a “passphrase” (frase secreta). A frase secreta é uma senha que irá identificá-lo(a) como proprietário(a) da chave privada. É chamada de frase secreta porque pode conter espaços e não há limite de caracteres.

Enter passphrase (empty for no passphrase): <Digite a senha>
Enter same passphrase again: <Digite a mesma senha>

Após digitar a senha, a seguinte informação será exibida informando onde as chaves foram armazenadas (/home/usuario/.ssh/id_rsa é a chave privada e /home/usuario/.ssh/id_rsa.pub é a chave pública).

O segundo passo então é copiar a chave pública para o servidor remoto. Esse procedimento consiste em colocar o conteúdo da chave pública dentro do arquivo
authorized_key e então copiá-lo para o servidor remoto. Use o comando ssh-copy-id para fazer isso automaticamente:

$ ssh-copy-id <servidor>

A senha que será solicitada no passo acima é do usuário no servidor remoto.

Pressione, <Alt>+<F2>, digite ssh-add e informe sua senha (passphrase).

Alt+F2

Após realizar o procedimento descrito acima, tente acessar o servidor remoto:

$ ssh <usuario>@<servidor>

Por fim, para evitar que você tenha que digitar sempre a senha (passphrase) utilizando a autenticação via chaves, acrescente em Sistemas -> Preferências -> Sessões -> Aba Programas Inicias -> Botão Adicionar a execução do ssh-add. Esse procedimento mantém a senha salva na sessão (o ssh-agent irá gerenciar as autenticações).

Programa Inicial

Dessa forma, será possível que você realize acesso ao servidor remoto, de uma forma segura e sem a necessidade de uma senha.

Ubunteros
Tadeu Rocha, Eustáquio Guimarães e Marcelo Lemos
Alex Rocha e Yves Junqueira

Nos dias 5 e 6 do corrente mês ocorreu na Universidade Católica de Brasília – UCB a 2ª edição do Festival Software Livre-DF. O evento contou com uma interessante programação e a organização do evento disponibilizou um estande para o Ubuntu-DF. Durante o evento além de tirar dúvidas, trocar idéias, conhecer pessoas e distribuir CD’s, foi colocado à disposição dos participantes um notebook com Frets on Fire. Para quem não conheçe o Frets on Fire é uma versão livre do jogo Guitar Hero® para Playstation2/Xbox, onde o usuário toca notas de uma guitarra com o teclado. O jogo possui apenas 4 músicas podendo ser executado em Windows, Linux e Mac.

Também é possível adicionar as músicas originais do Guitar Hero® (1 e 2) desde que adquiridas no site do jogo.

http://www.youtube.com/watch?v=FJwU-ejRrQA

Até a versão Feisty Fawn não existiam pacotes do jogo nos respositórios do Ubuntu. Já na versão 7.10 Gutsy Gibbon que será lançada agora em outubro, o jogo pode ser instalado a partir do repositório Universe.

Instruções para instalação:

Gutsy Gibbon 7.10:

1. Instale o pacote fretsonfire;

$ sudo aptitude install fretsonfire

2. Execute o jogo a partir do menu Aplicações -> Jogos -> Frets on Fire

Feisty Fawn 7.04:

1. Baixe o tarball (tar.gz);

http://fretsonfire.sourceforge.net/

2. Extraia os arquivos;

$ tar xvzf FretsOnFire-1.2.451-linux.tar.gz

3. Entre na pasta FretsOnFire e execute o jogo.

Mais informações:
http://fretsonfire.sourceforge.net/

Nota A versão 7.10 é uma versão beta. Não instale em máquinas de produção. A versão estável será lançada em Outubro de 2007. A página GutsyUpgrades será atulizada assim que o Gutsy for oficialmente lançado.

A versão 7.10 beta (Gutsy Gibbon) do Ubuntu já está disponível para testes e recebimento de bugs via Launchpad.

Para saborear o que vem por ai nessa nova versão, veja:

http://wiki.ubuntu-br.org/Gutsy/BetaRelease

Para uma instalação “limpa” o download da ISO pode ser realizado nos repositórios abaixo:

Ubuntu – http://releases.ubuntu.com/releases/7.10
Kubuntu, Edubuntu e Xubuntu – http://releases.ubuntu.com/releases/

Caso você deseje atualizar a partir da versão 7.04 (Feisty Fawn) para a versão 7.10 (Gutsy Gibbon) será necessário executar alguns procedimentos. Particularmente, o update-manager não exibiu opção para atualizar para o Gutsy. então, foi necessário realizar os alguns passos:

1. Atualizar e certificar que o Feisty Fawn estava completamente atualizado.

2. Editar o arquivo ‘meta-release’ para o Gusty e executar alguns comandos.

– Feche o Gerenciador de Atualizações (Update Manager)
– Abra o terminal e execute o comando:

$ sudo gedit /var/lib/update-manager/meta-release

– Vá para o final do arquivo (caso haja algum conteúdo no arquivo) e adicione as linhas:

Dist: gutsy
Name: Gutsy Gibbon
Version: 7.10
Date: Thu, 18 Oct 2007 12:00:00 UTC
Supported: 0
Description: This is the 7.10 release
Release-File: http://archive.ubuntu.com/ubuntu/dists/gutsy/Release
ReleaseNotes: http://archive.ubuntu.com/ubuntu/dists/gutsy/main/dist-upgrader-all/current/ReleaseAnnouncement
UpgradeTool: http://archive.ubuntu.com/ubuntu/dists/gutsy/main/dist-upgrader-all/current/gutsy.tar.gz
UpgradeToolSignature: http://archive.ubuntu.com/ubuntu/dists/gutsy/main/dist-upgrader-all/current/gutsy.tar.gz.gpg

– Pressione Ctrl + S ou clique em Salvar
– Pressione Ctrl + Q para sair do gedit
– Execute os comandos abaixo:

$ sudo apt-get update
$ gksudo “update-manager -c -d”

3. Os passos acima, deverão abrir a janela do Gerenciador de Atualizações, permitindo desta forma, que você atualize o seu sistema operacional para o Gusty.

Para maiores informações sobre como atualizar o Ubuntu para versão 7.10 beta, veja:

http://wiki.ubuntu-br.org/Gutsy/GutsyUpgrades

Versões do Ubuntu

09/11/2007

Old Ubuntu Releases

O Ubuntu lança uma nova versão a cada 6 meses e mantém suporte completo por pelo menos 18 meses. As versões que ultrapassam 18 meses são armazenadas em um repositório específico, ou seja, Warty 4.10, Hoary 5.04, Breezy 5.10 e Dapper 6.06.0 estão disponíveis apenas em http://old-releases.ubuntu.com/releases/.

Caso você venha a usar uma dessas versões antigas, lembre-se de configurar o repositório de software (/etc/apt/sources.list) para apontar para o lugar certo.

Exemplo:

deb http://old-releases.ubuntu.com/ubuntu hoary main restricted universe multiverse

Já as versões mais atuais Dapper 6.06.1 LTS, Edgy 6.10 e Feisty 7.04 estão acessíveis a partir de http://releases.ubuntu.com/. O Dapper 6.06.1 LTS apesar de ter sido lançado em 01/06/2006 será suportado oficialmente por 3 anos para a versão desktop e 5 anos para a versão servidor, por esse motivo ele ainda se encontra nesse repositório.

Ubuntu Releases

Ambos os repositórios incluem versões para Kubuntu e Edubuntu. Xubuntu está apenas disponível no repositório de versões mais atuais.

Interessado em aprender mais sobre as versões do Ubuntu?
http://wiki.ubuntu-br.org/VersoesUbuntu

Muitas placas de rede são automaticamente detectadas pelo Ubuntu, porém pode acontecer que uma placa não seja reconhecida durante a instalação. Por exemplo, as placas Broadcom NetXtreme II BCM5708 e NetXtreme BCM5704, ambas presentes nos servidores IBM x3550 e X3850 respectivamente, não foram detectadas pelo Dapper 6.06 LTS (kernel 2.6.15-26-server e kernel 2.6.15-28-server).

Uma vez diagnosticado que a placa de rede não foi detectada (use o dmesg para obter mais informações do problema), você terá que realizar algumas pesquisas a fim de ativá-la. Uma bom início é começar a pesquisa pelos “bugs conhecidos“, que é uma ótima forma de obter ajuda via comentários que incluem informações sobre o problema, patch (correção) e formas de como contorná-lo até que saia uma correção definitiva.

Caso não encontre nenhuma ocorrência para solução do problema, uma boa maneira é compilar o próprio driver do fabricante. Vejamos como isso foi realizado para as placas BCM5704 e BCM5708:

Broadcom NetXtreme BCM5704

1. Identificar o fabricante da placa de rede:

$ lspci -v | grep Ethernet
0000:01:01.0 Ethernet controller: Broadcom Corporation NetXtreme BCM5704 Gigabit Ethernet (rev 10)
0000:01:01.1 Ethernet controller: Broadcom Corporation NetXtreme BCM5704 Gigabit Ethernet (rev 10)
0000:02:01.0 Ethernet controller: Broadcom Corporation NetXtreme BCM5703 Gigabit Ethernet (rev 10)

2. Verificar a saída do dmesg:

$ dmesg | less

3. Verificar se o driver foi carregado:

$ lsmod | grep bnx2

No caso da BCM5704 o driver que o Ubuntu estava usando era o bnx2, o engraçado é que o fabricante usa o tg3 para essa placa. Logo, remova o driver carregado para ter certeza que ele não “atrapalhe em nada.

$ rmmod bnx2
$ rmmod tg3

4. Baixar o driver do fabricante:

http://www.broadcom.com/support/ethernet_nic/netxtreme_server.php

5. Agora é necessário instalar os pacotes “build-essential” e os “headers” do kernel atual. O pacote “build-essential’ possui um compilador básico e outras ferramentas necessárias para compilação de pacotes. Os “headers” do kernel da instalação estão disponíveis no CD-ROM de instalação do Ubuntu ($ uname -a).

$ sudo aptitude install build-essential linux-headers-2.6.15-26-server

6. Parar o serviço de rede:

$ sudo /etc/init.d/networking stop

7. Descompactar e compilar o drive para o kernel (informações completa deste passo estão contidas no arquivo README.TXT dentro do tarball baixado no site do fabricante da placa):

$ cd /tmp
$ tar -zxf tg3-3.71b.tar.gz
$ cd Server/Linux/Driver/tg3-3.71b
$ make
$ insmod tg3.ko
$ sudo make install

8. Neste ponto o driver já foi compilado e instalado.

$ sudo /etc/init.d/networking start

9. Pronto!

Broadcom NetXtreme 5708

1. Resumidamente repita os passos anteriores e utilize as informações abaixo:
Download do driver: http://www.broadcom.com/support/ethernet_nic/netxtremeii.php
Remoção do driver antigo: rmmod bnx2; rmmod tg3
Compilação e instalação:

$ cd /tmp
$ unzip linux-1.5.10c.zip
$ cd Server/Linux/Driver/
$ tar xvzf bnx2-1.5.10c.tar.gz
$ cd bnx2-1.5.10c/src
$ make
$ insmod bnx2.o
$ insmod bnx2.ko
$ sudo make install

Pronto!

Vale lembrar que o driver só foi compilado para o kernel atual, ou seja, caso haja atualização de kernel será necessário realizar outra compilação.

Referências:

https://bugs.launchpad.net/ubuntu/+source/linux-source-2.6.15/+bug/73647
http://www.broadcom.com

Instalar o Ubuntu Dapper 6.06 LTS, ou qualquer versão do Ubuntu, em um sistema Debian é muito simples. Isso graças ao debootstrap que é usado para criar sistemas básicos em um ambiente chroot.

Uma dica que oferece conselhos ou uma maneira mais simples de realizar uma tarefa Os passos descritos abaixo, utilizam o Dapper como sistema base. Para utilizar outras versões do Ubuntu, use warty, hoary, breezy, edgy ou feisty no lugar de dapper.

Preparando o debootstrap:

# aptitude install dbootstrap
# mkdir /var/chroots/dapper
# cd /tmp
# wget http://archive.ubuntu.com/ubuntu/pool/main/d/debootstrap/debootstrap_0.3.3.2ubuntu3_all.deb
# dpkg –extract debootstrap_0.3.3.2ubuntu3_all.deb debootstrap-feisty
# cp debootstrap-feisty/usr/lib/debootstrap/scripts/{warty,warty.buildd,hoary,hoary.buildd,breezy,dapper,edgy,edgy.fakechroot,feisty,feisty.fakechroot} /usr/lib/debootstrap/scripts/

Preparando o ambiente em chroot:

# debootstrap dapper /var/chroots/dapper http://archive.ubuntu.com/ubuntu/

I: Retrieving Release
I: Retrieving Packages
I: Validating Packages
[…]
I: Base system installed successfully.

Para funcionar a parte de rede, copie os seguintes arquivos:

# cp /etc/hosts /var/chroots/dapper/etc/
# cp /etc/resolv.conf /var/chroots/dapper/etc/

Para entrar no chroot, use:

# chroot /var/chroots/dapper

Configuração do apt:

# vim /etc/apt/sources.list

deb http://archive.ubuntu.com/ubuntu/ dapper main restricted universe multiverse
deb-src http://archive.ubuntu.com/ubuntu/ dapper main restricted universe multiverse
deb http://archive.ubuntu.com/ubuntu/ dapper-updates main restricted universe multiverse
deb-src http://archive.ubuntu.com/ubuntu/ dapper-updates main restricted universe multiverse
deb http://security.ubuntu.com/ubuntu dapper-security main restricted universe multiverse
deb-src http://security.ubuntu.com/ubuntu dapper-security main restricted universe multivers

# aptitude update

Para sair do chroot, digite <Ctrl>+<D>

Para destruir o ambiente basta apagar o diretório onde o chroot foi criado, logo:

# rm -rf /var/chroots/dapper

Não disse que era simples? Boa sorte!

Referências:

https://wiki.ubuntu.com/DebootstrapChroot
http://packages.ubuntu.com/dapper/admin/debootstrap

test_quality_ubuntu_shipt

Há um tempo, nosso amigo Og Maciel reuniu 67 pessoas interessadas em participar do teste de eficiência e eficácia do Shipit no Brasil. Pessoas essas espalhadas em 21 estados e o Distrito Federal. Para minha surpresa, recebi os CDs do Ubuntu (6.10) pela Canonical e gostaria de lembrar a todos que os receberam que respondam a pesquisa a fim de concluí-la.

O feedback pode ser realizado via carta resposta ou via e-mail. Para os que preferirem via e-mail, envie as seguintes informações:

Número contido no topo esquerdo da carta de resposta;

Data em que os correios entregaram a encomenda em sua residência;

Se a embalagem chegou em boas condições: Sim ou Não; e

Observações.

É possível que algumas pessoas recebam os CDs primeiramente que outras e que também outras nem cheguem a receber. Para este último caso, não esqueça que isto é simplesmente um teste de envio.

Obtenha CDs com outros ubunteros:
http://wiki.ubuntubrasil.org/CDsNoBrasil

Baixe o Edgy Eft agora mesmo:
http://wiki.ubuntubrasil.org/ObtendoUbuntu

Interessado em aprender mais sobre o Ubuntu em português?
http://wiki.ubuntu-br.org/ComeceAqui

A nova versão alpha do EasyUbuntu [0] está disponível para instalação no Ubuntu, Kubuntu e Xubuntu (versões Dapper e Edgy), arquiteturas x86, AMD64 e PowerPC. As novidades dessa versão são a inserção de um ícone próprio no menu Aplicações, correção de bugs e adição de novos recursos.

Assim como o Automatix [1], ele é um software com interface gráfica para instalação de vários aplicativos e algumas configurações que não estão na distribuição, por não cumprirem com a Filosofia de Software Livre do Ubuntu [2].

 

easyubuntu.png

O software conta com os seguinte recursos para deixar o Ubuntu mais redondo:

Multimídia (Multimedia)

Codecs: Adiciona suporte para tocar formatos restritos
Codecs binários: Adiciona suporte para formatos de vídeo e áudio proprietários (w32codecs) (apenas x86)
libdvdcss: Adiciona suporte para leitura de DVD’s comerciais e encriptados
MIDI: Adiciona suporte para tocar arquivos midi

Web (Web)

Flash: Habilita o plugin flash da Macromedia (apenas x86)
Java: Habilita o plugin Java da Sun (Sun Java para x86 e amd64) (IBM java para PowerPC)
Vídeos: Habilita a visualização de vídeos embutidos em páginas web com o totem
OpenWengo: Instala a alternativa livre ao Skype (disponível no Dapper)
Skype: Instala o software mais popular de VoIP (apenas x86)

Arquivos (Archives)

RAR: Extrai e cria arquivos RAR
ACE: Extrai arquivos ACE
7-Zip: Extrai arquivos 7-Zip

Sistema (System)

Lista de repositórios: Main, Universe, Multiverse e PLF (substitui o arquivo sources.list)
Fontes: Instala fontes Microsoft e outras agradáveis
Nvidia: Instala o driver oficial para habilitar o recurso 3D em placas de vídeo Nvidia
ATI: Instala o driver oficial para habilitar o recurso 3D em placas de vídeo ATI

Instalação

Para instalar o EasyUbuntu execute os seguintes comandos:

1. Download do pacote:

wget http://easyubuntu.freecontrib.org/files/easyubuntu_latest.deb

2. Instalação:

sudo dpkg -i easyubuntu_latest.deb

3. Adição da chave:

wget -q http://medibuntu.sos-sts.com/repo/medibuntu-key.gpg -O- | sudo apt-key add –

4. Pronto!

Depois de instalado você pode executar o EasyUbuntu acessando o menu Aplicações –> Feramentas do Sistema.

[0] http://easyubuntu.freecontrib.org
[1] http://getautomatix.com
[2] http://wiki.ubuntubrasil.org/Filosofia

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.